CAUSA E EFEITO NAS AFLIÇÕES

2 Cor 4:16-18

Pr Alencar Menezes

O apóstolo Paulo nos fala que nossa vitória, em todas as áreas, tem mais a ver com as perspectivas que podemos ter do futuro, pela fé, do que com os dons espirituais que, por muitas vezes, compõem a prioridade na vida espiritual de muitos cristãos. O que Paulo nos ensina a esse respeito:

1- (v. 16a) NUNCA DESANIME

A marca da nossa fé é a perseverança. A graça abundante nos fornece o combustível para sermos o que somos e se temos Cristo em nós, havemos também de ter a certeza do que temos conquistado. Então porque muitos desanimam em meio às aflições? A resposta é que muitos colocam as suas perspectivas em aspectos que apelam mais para as emoções do que para o discernimento espiritual das coisas. Ao darmos lugar ao Espírito, manifestamos emoções, mas não podemos dizer que todo emocional é espiritual. Quando não desanimamos, exibimos maturidade na nossa caminhada com Cristo.

2- (v. 16b) TOME POSSE DA RENOVAÇÃO EM CRISTO

A operação da graça em nós pode se tornar pouco visível por nós mesmos. A profunda misericórdia do Senhor em nós é derramada sem pedirmos e em muitos momentos ignoramos esse favor de Deus, devido a várias situações. Certos Cristãos acham que suas ações, em si mesmas, podem trazer uma renovação espiritual. Isto é incorreto por que anularia a intervenção graciosa de Cristo em nós. Na realidade, usufruímos dessa benesse divina pela fé naquilo que Cristo já conquistou no Calvário. Isso inclui transformação do nosso caráter, a cura de enfermidades, a bênção sobre nossa família, entre outras coisas.

3- (v. 17) PONDERE NO ESPÍRITO

Ao ponderarmos no Espírito devemos considerar se o peso maior está na tribulação ou na vitória sobre a tribulação através de Cristo, ou seja, o que deve prevalecer em nós? A angústia ou a perspectiva do eterno peso de glória? Certamente deve ser evidente aquilo que Cristo já nos presenteou, a vida eterna, a única certeza que podemos ter e de valor incomparável, pois sabemos: acima de todas as coisas, Deus é fiel.

4- (v. 18) ATENTE AO QUE É ETERNO

A natureza carnal se consola com o que é efêmero. Se somos espirituais, a nossa prioridade deve estar canalizada para o que é do Espírito, para as coisas que se contemplam com os olhos da fé. O valor das coisas que não se podem ver é muito maior do que o das que se podem ver.

CONCLUSÃO: Se Deus nos concede a sua graça liberalmente, não é justo, nem correto colocarmos a nossa vida a mercê do infortúnio da tribulação. É como desvalorizarmos o presente que nos é concedido por amor. Além disso, se assumimos essa posição deixamos de lado as conquistas. Glorifique ao Senhor vivendo e gozando os benefícios da sua misericórdia e graça, discernindo e contemplando com os olhos da fé.

Aceite a Cristo como o seu Senhor e Salvador.

Anúncios