FAZENDO O BOM USO DAS ARMAS ESPIRITUAIS

“Vai, ajunta todos os judeus que se acham em Susã, e jejuai por mim, e não comais nem bebais por três dias, nem de noite nem de dia; e eu e as minhas moças também assim jejuaremos. Depois irei ter com o rei, ainda que isso não é segundo a lei; e se eu perecer, pereci.” (Et 4:16)

Verdade Central: Estamos sendo alimentados abundantemente pelos ensinos da Palavra de Deus sobre como ser um valente de guerra. Isso fará com que não apenas aprendamos, mas nos levará a uma vitória expressiva.

Introdução: Sabemos que Satanás não veio para outra coisa, senão para matar, roubar e destruir. E ele tentou fazer isso com o povo de Deus usando um homem chamado Hamã. Mas, ao ser comunicada sobre o plano de destruição do seu povo, Ester não perdeu tempo. Como boa valente, buscou logo uma estratégia para vencer. Como resultado, ela destruiria as forças espirituais.

1. Jejuando e orando

“Vai, ajunta todos os judeus que se acharem em Susã, e jejuai por mim. Não comais nem bebais durante três dias, nem de dia nem de noite, e eu e as minhas moças também assim jejuaremos.” (Et 4:16)

Vemos essa estratégia na vida de todos os guerreiros de Deus. Foi assim com Daniel, Gideão, Neemias, Esdras, Davi etc. Não foi diferente com Ester. Ela convoca o povo para jejuar e orar vencendo, assim, a força e a estratégia do diabo no mundo espiritual. Essa é a primeira estratégia da sua vitória: o jejum e a oração. Nunca se esqueça de que a nossa luta não é contra carne e nem sangue, mas contra principados e potestades, contra as forças do mal (Ef 6:12).

2. Agindo

“…Depois irei ter com o rei, ainda que seja contra a lei. E se eu perecer, pereci.” (Et 4:16).

Ester agiu, apresentando-se ao rei. Colocou em risco a própria vida. É assim que deve ser conosco. Quando guerreamos, colocamos em risco a nossa própria vida para vencermos a guerra. Os covardes não fazem isso, porque são passivos, neutros. Entretanto, essa nunca foi a postura de Deus. Deus sempre mostrou para o povo que eles deveriam ser guerreiros com base nas estratégias dadas por Ele (Et 5).

Não podemos estar neutros ante aos problemas. Trabalhe pelas suas vitórias. Siga o exemplo da valente Ester: enfrente logo e guerreie, porque a vitória é certa.

3. Crendo que Deus peleja por nós

“Enviaram-se as cartas por intermédio dos correios a todas as províncias do rei, para que destruíssem, matassem e aniquilassem a todos os judeus, moços e velhos, crianças e mulheres, em um mesmo dia, no dia treze do décimo segundo mês, que é o mês de adar, e para que lhes saqueassem os bens.” (Et 3:13)

Hamã era um homem que ansiava a morte dos judeus e para tal intento traçou um plano diabólico (Et 3:8-14). Toda a autoridade que se levanta contra o povo de Deus será destruída. Hamã morreu no laço que ele mesmo havia preparado. “Assim, enforcaram a Hamã na forca que ele tinha preparado para Mordecai.” (Et 7:9-10). Quando estamos sob a direção de Deus, o nosso inimigo é confundido, vencido pela sua própria estratégia. Devemos ter a postura de não entrar no jogo do inimigo, de não deixar que ele tire a nossa atenção do alvo, com estratégias mentirosas e covardes.

Conclusão: O diabo tem tentado destruir as famílias, a Igreja, os governos, a economia, enfim, tudo. Mas, nós, como povo valente e destemido, enfrentaremos e venceremos esses demônios na força e na estratégia do Todo Poderoso.

“Veio o temor de Deus sobre todos os reinos daquelas terras, quando ouviram que o Senhor havia pelejado contra os inimigos de Israel.” (II Cr 20:29)

Anúncios